- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Quando a Severa morreu

António Vilar da Costa / Júlio Proença *fado modesto*
Repertório de Fernando Maurício

Noite fagueira, São João na Mouraria
Uma fogueira arde no Largo da Guia
Chegam tipóias com fidalgos e ciganas
Riem pinóias com a graça do Timpanas

Sobem balões, tem mais brilho a luz da lua
E os alegres foliões cantam nas marchas da rua
Geme a guitarra, com emoção tudo espera
Falta chegar a Severa com sua graça bizarra

Mas já no largo, a fogueira se extinguia
Destino amargo, Severa não mais viria
Áquela hora nos braços do seu amado
Cantava agora o seu derradeiro fado

Tangem os sinos na capelinha da Guia
E dois anjos pequeninos desceram à Mouraria
Amanheceu e a voz do fado calou-se
E a própria lua ocultou-se p’ra ver Severa no céu