- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado Rão Kyado

Rogério de Oliveira / Rão Kiao
Repertório de Natalino de Jesus

Foi no domingo passado
Lá num retiro de fado
Que ouvi entusiasmado, tal canção
É da estirpe do Alfredo
Rima que até mete medo
Mas tem lá o seu segredo e devoção

É um fado viajado
Que de Lisboa embarcado
Foi por Goa arrebatado de paixão
Regressou nas caravelas
Polvilhou-se de canelas
E encheu-se sem cautelas de açafrão

É um fado rigoroso
No corrido ou vagaroso
Que à guitarra traz mais gozo e emoção
Tem um toque que nos prende
Pois de nós ele descende
Se há coisa que se defende, é o nosso chão

E por ser pelo Rão criado
Este já foi batizado
Como o fado Rão Kyado e com razão
Que no seu toque mestiço
Põe o povo
em reboliço
Com
o seu gingar castiço e fadistão