- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O Timpanas

Frederico de Freitas / Júlio Dantas
Repertório de Amália Rodrigues

Niza azul e bota alta
A reinar com toda a malta
É o rei das traquitanas, o Timpanas
O Pinóia na boleia

De chapéu à patuleia
Faz juntar o mulherio, no Rossio

Quando levo as bailarinas /
Do teatro ao Lumiar
Bailo eu e baila a sege / E as pilecas a bailar


O boleeiro de Lisboa
Não é lá qualquer pessoa
E as pilecas dão nas vistas, são fadistas
São cavalos de alta escola

O das varas toca viola
E o da sela que é malhado, bate o fado

Quando bato p’rás marnotas /
Roda acima, roda abaixo
Eu dou vinho aos meus cavalos /
Mas sou eu que vou borracho

Já andei por tanta espera /
Já levei tanto boléu
Já conheço tantos bois / Que lhes tiro o meu chapéu