- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado Portugal

José Guimarães / Manuel Portugal
Repertório de Maria Portugal

Diz-me lá de onde vinhas
Perguntei eu ao Ginguinhas
Rufião e de má fama
Se é que do fado és amigo
Traz a guitarra contigo
E vem cantar em Alfama

Vem de bota afiambrada
A melena toda esticada / P‘ra festa todo gingão
E numa fala mesquinha
Respondeu-me donde vinha / Da Rua do Capelão

Num gesto mal humorado
Manda a samarra p’ro lado / Pretendendo disfarçar
E ao entrar numa taberna
À luz da tosca lanterna / Pôs-se o Corrido a cantar

Alfama tem tradição / No passado e no presente
E aberto o coração / P’ra receber toda a gente;
Não há ninguém descontente / Nesta Alfama do passado
Aonde o fado deu brado / Com boémios e fadistas
Sem pretender dar nas vistas
Aqui é que o fado é fado