- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Fado Portugal

José Guimarães / Manuel Portugal
Repertório de Maria Portugal

Diz-me lá de onde vinhas
Perguntei eu ao Ginguinhas
Rufião e de má fama
Se é que do fado és amigo
Traz a guitarra contigo
E vem cantar em Alfama

Vem de bota afiambrada
A melena toda esticada / P‘ra festa todo gingão
E numa fala mesquinha
Respondeu-me donde vinha / Da Rua do Capelão

Num gesto mal humorado
Manda a samarra p’ro lado / Pretendendo disfarçar
E ao entrar numa taberna
À luz da tosca lanterna / Pôs-se o Corrido a cantar

Alfama tem tradição / No passado e no presente
E aberto o coração / P’ra receber toda a gente;
Não há ninguém descontente / Nesta Alfama do passado
Aonde o fado deu brado / Com boémios e fadistas
Sem pretender dar nas vistas
Aqui é que o fado é fado