- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Alguém viu por aí a Margarida?

João Monge / Fernando Alvim
Repertório de Camané

Alguém viu por aí a Margarida
A que mora nas águas-furtadas
Tem há dias a roupa estendida
E não a sinto passar nas escadas

Já lá fui bater, ninguém dá fé
Perguntei se alguém a tinha visto
Fui a pé daqui até à Sé
E ninguém a viu, já viram isto?

Até me dava ares de um modelo
Daqueles que dão na televisão
Quando ela soltava o seu cabelo
Fazia parar uma multidão

Que é feito da nossa Margarida
A moça mais vistosa da viela
Partiu e deixou a roupa estendida
Só para a gente não se esquecer dela

Cá p’ra mim, que até nem sou de intrigas
Já deve andar pardal no telhado
Sempre ouvi dizer às raparigas
Que bem guardado é o pecado

Já ninguém lhe volta a pôr a vista
Fica-te com esta, meu amigo
Se ela fugiu com algum fadista
Mais valia que fosse comigo