- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cais da pimenta

Letra e música de Fernando Carmino Marques
Repertório de Fernando Marques

Lisboa, sete colinas
A pobreza pelas esquinas / Use sempre óculos de sol
Welcome, diz o letreiro
A quem vem do mundo inteiro / Branquinho como um lençol

Vejam bem esta cidade
Sem juízo nem idade / Mas de orgulho muito altivo
Já sinto que se arrepia
Quando lhe disser um dia / Que é um inferno colorido

Já foi o cais da pimenta
Tanto espirra que rebenta / Tudo treme, fica a fé
E o Tejo embevecido
Pelo que vê construído / Nunca mais se pôs de pé

Cidade onde vem parar
Gente de todo o lugar / Onde o pão não tem sal
Mas é forte o desencanto
Quando sentem com espanto / A vida da capital

Um político sorridente
Diz que sim a toda a gente / Cartaz novo na parede
Vou correndo p’ró transporte
E assim caminho p’rá morte / Mas da vida tenho sede

Não me enganas com a calma
Pois não me entra na alma / Só me apetece é gritar
Mas ao som do choradinho
Falo logo mais mansinho / E lá me deixo arrastar