- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Assim era Lisboa

Fernando Correia / Jaime Santos
Repertório de Fernanda Maria

Em tempos que já lá vão
P'lo São João, era Lisboa
Uma garota ladina
Linda menina, cheia de proa
Tinha por balão a lua
Vinha p’ra rua, cantar à toa
Andava sempre garrida
Toda florida e enfeitada;
Dançava nos arraiais
E aos madrigais, ria corada

Ia nas, marchas vaidosa / Muito vistosa sem ter parança
Pulava, cantava e ria / Da Mouraria até á Esperança
E alcachofras queimava / Porque gostava, de ser criança
Andava de noite e dia / Nessa folia sempre contente
Velhos e novos dançavam
Todos brincavam alegremente

Fazia danças de roda / Pois eram moda, esses bailados
Ia saltar á fogueira / Sempre ligeira e sem cuidados
Saía dos bailaricos / Com manjericos e conversados
Oferecia com encanto / A cada santo, uma cantiga
E era assim que ela vivia
Com alegria, Lisboa antiga