- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Assim era Lisboa

Fernando Correia / Jaime Santos
Repertório de Fernanda Maria

Em tempos que já lá vão
P'lo São João, era Lisboa
Uma garota ladina
Linda menina, cheia de proa
Tinha por balão a lua
Vinha p’ra rua, cantar à toa
Andava sempre garrida
Toda florida e enfeitada;
Dançava nos arraiais
E aos madrigais, ria corada

Ia nas, marchas vaidosa / Muito vistosa sem ter parança
Pulava, cantava e ria / Da Mouraria até á Esperança
E alcachofras queimava / Porque gostava, de ser criança
Andava de noite e dia / Nessa folia sempre contente
Velhos e novos dançavam
Todos brincavam alegremente

Fazia danças de roda / Pois eram moda, esses bailados
Ia saltar á fogueira / Sempre ligeira e sem cuidados
Saía dos bailaricos / Com manjericos e conversados
Oferecia com encanto / A cada santo, uma cantiga
E era assim que ela vivia
Com alegria, Lisboa antiga