- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Armas sem coroa

Letra e musica de João Ferreira Rosa *fado santarém*
Repertório do autor

Se te dissesse, meu amor, que não te queria
Já te mentia, meu amor, já te mentia
Se te dissesse, meu amor, que não te quis
Era feliz, meu amor, era feliz

O que te digo nesta voz que por ti canta
É a saudade que há em nós, quase magia
Que nos transforma este grito na garganta
De solidão, meu amor, em companhia

Dizer que o fado foi sina que Deus nos deu
É um pecado, meu amor, que brado ao céu
Dizer que o fado é canção nacional
É bestial, de Lisboa, é bestial

Nunca te esqueças, nós já fomos Portugal
Antes da morte daquele rei, daquele soldado
O que hoje somos não votamos, afinal
Armas sem coroa num pano verde-encarnado