- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Quadras soltas

Extraídas do livro *Vida e Obra do Poeta Carlos Conde*

Não rias, que esse teu riso
Tem outro alcance, outro fim
Às vezes, quando é preciso
Também sei chorar assim

Esta vida á mar de enganos / P'ra quem despreza as marés
Há gente a durar cem anos / Que não chega a viver dez

O ser pobre não assusta / O que assusta é não ter pão
E ver tanto luxo à custa / Da esmola que os pobres dão

Diz quem tem honra, coitado / E até já não causa espanto
Que um homem p'ra ser honrado / Passe a vida a roubar tanto

De uma alegria perdida / É que a saudade começa
Começa a dar-nos mais vida / E a matar-nos mais depressa

Morte é lei, não é desgraça / Para gente pobre ou rica
A vida é sonho que passa / O mundo ilusão que fica

Fala em honra o mundo inteiro / E afinal, p'ra ser honrado
Basta apenas ter dinheiro / Mesmo que seja roubado

Nunca o mal é mais profundo / Nem a dor é mais atroz
Há sempre alguém neste mundo / Que sofre mais do que nós

Filhos que esbanjam demais / Podem cair em maus trilhos
As riquezas de alguns pais / São a desgraça dos filhos

Basta de preces, não rezes / Erguendo os olhos aos céus
Deus me perdoe, mas ás vezes / Tenho ciúmes de Deus

Meia luz, sombras bizarras / Um tom plangente, magoado
Atenção!... gemem guitarras / Silêncio!... canta-se o fado

Trabalho é letra vencida / Que o suor já pagou bem
Quem trabalha toda a vida / Não deve nada a ninguém

P'ra se pôr fim aos engodos / Das falsas sabedorias
Bastava que os ricos todos / Fossem pobres oito dias

Saudade, astro encantador / Que nos eleva e seduz
Sonho doirado de amor / Sonho de amor e de luz

Saudade!... não tem revezes / Este nome tão fagueiro
E a saudade, muitas vezes / É maior que o mundo inteiro

Meus olhos que por alguém / Verteram prantos sem fim
Não choram por mais ninguém / Basta que chorem por mim

A morte é sempre odiada / Não por ser negra, voraz
Mas por andar enganada / Na triste escolha que faz

Na vida é tudo aparente / Na morte tudo acabou
Quem parte nem sequer sente / As saudades que deixou