- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Terra da melancolia

Letra e música: Duarte
Intérprete: Duarte


Terra da melancolia
Rasas planícies de mágoa
Branca dolência tardia
Terra da melancolia
Tanto calor, pouca água

Mourisca forma de estar / Depressiva porventura
O tempo teima em passar / No espaço há tanta fartura

Quem por lá passa não sabe / Das coisas de quem lá vive
À espera que a dor se acabe / Terra dum pai que não tive

Ao largo velhos sentados / Aos novos ninguém os vê
Partiram para outros lados / Vão voltar de quando em vez

Às vezes, sou mais um estranho / Vagueando ao Deus-dará
Outras vezes sou daqueles / Que nunca saem de lá

Ainda que lento o dia / A noite nunca se atrasa
Branca dolência tardia / Terra da melancolia
Do cante e da minha casa