- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Xaile negro

José Guimarães ? / Alvaro Martins
Repertório de Flora Pereira


Julguei que o fado era meu / Tanto lhe quero e queria
Mas outra a quem conheceu / Levou-o p’rá Mouraria

Agora, por mãos alheias / Lá anda de lado em lado
Estala-me o sangue nas veias / E eu tenho pena do fado

Este xaile negro

Faz-me fadista um minuto
Se o deixo de cantar vejo no xaile o meu luto
Mas eu qualquer dia
Sem que me importe o pecado
Vou á Mouraria e trago de lá o fado 


Ó Rua do Capelão / Só tu por fim conseguiste
Ferir o meu coração / Que bate agora mais triste

Por isso agora, Lisboa / Atenta nesta verdade
Ninguém, ninguém te perdoa / Essa tão grande maldade