- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Pardalitos

Letra e musica de Filomeno Silva
Repertório de Filomeno Silva

Saltam da ponte como pardais a voar
Contam á gente o sabor que a vida tem
E não dão conta dos saltos que a vida dá
Esses putos que amanhã serão adultos também

Começam por andar ao desvario
Esquecem a fome e o frio
Só p’ra andar na brincadeira
Seus olhos são a corrente do rio
Cada barco é um navio
Para os putos da Ribeira

A vida destes meninos
Que nos seus corpos franzinos
Vivem á mercê da sorte
Não conhecem fados nem destinos
P’ra esses pardais pequeninos
Não há maldade nem morte