- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.690 LETRAS PUBLICADAS <> 2.679.000 VISITAS < > 01 FEVEREIRO 2023
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado mortalha (duas mortalhas)

Linhares Barbosa / Armando Machado
Repertório de Max
Gravado com o título *duas mortalhas*

Foi na Travessa da Palha
Que um petiz de olhar bizarro
Com outros da sua igualha
Me pediu uma mortalha
Para fazer um cigarro

Acedi naturalmente / Eu sou assim quando calha
Não é coisa deprimente /A um migalho de gente

Dar a gente uma migalha

Por tal mortalha ter dado / Um amigo censurou-me
Respondi-lhe revoltado / Também a fome é pecado

E há muita gente com fome

E o petiz de olhar bizarro / Disse-me adeus, obrigado
Distraído com o cigarro / Não viu que passava um carro

E foi por ele esmagado

E na Travessa da Palha / O garotito morreu
Foi p’rá vala da canalha / Mas levou outra mortalha

Novinha, que lhe dei eu

Desde então, sempre que fumo / Nas fumaças do espaço
Vejo o garoto no fumo / A pôr luto não costumo

Mas puz um fumo no braço