- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Estas meninas do Tejo

Carlos Baleia / António Redes Cruz
Repertório de Daniel Gouveia


No passado, como agora
As meninas de Lisboa

São Ninfas vindas do Tejo;
A desfilar em cortejo
Como raínhas sem coroa

Quando vão cidade fora

A vaidade na forma de andar / É rodopio que chega ao Rossio
No Chiado evocam artistas / Depois no Parque, recordam revistas
No Terreiro, sorriso brejeiro / E no Paço, oferecem o braço
Nas Arcadas visitam Pessoa / As flhas mimadas desta Lisboa


Ondas velhas deste Tejo
Que são como gente boa

A falar da vida alheia
Já dizem á boca cheia
Que as meninas de Lisboa

Andam a espalhar desejo

A vaidade na forma de andar / É rodopio que chega ao Rossio
No Chiado evocam artistas / Depois no Parque, recordam revistas
No Bairro Alto mudam de maneiras / E dão um salto, vão ás Amoreiras
Pelas colinas que descem ao Rato / Lá vão as meninas p’rá 24