- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Estas meninas do Tejo

Carlos Baleia / António Redes Cruz
Repertório de Daniel Gouveia


No passado, como agora
As meninas de Lisboa

São Ninfas vindas do Tejo;
A desfilar em cortejo
Como raínhas sem coroa

Quando vão cidade fora

A vaidade na forma de andar / É rodopio que chega ao Rossio
No Chiado evocam artistas / Depois no Parque, recordam revistas
No Terreiro, sorriso brejeiro / E no Paço, oferecem o braço
Nas Arcadas visitam Pessoa / As flhas mimadas desta Lisboa


Ondas velhas deste Tejo
Que são como gente boa

A falar da vida alheia
Já dizem á boca cheia
Que as meninas de Lisboa

Andam a espalhar desejo

A vaidade na forma de andar / É rodopio que chega ao Rossio
No Chiado evocam artistas / Depois no Parque, recordam revistas
No Bairro Alto mudam de maneiras / E dão um salto, vão ás Amoreiras
Pelas colinas que descem ao Rato / Lá vão as meninas p’rá 24