- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Porta do coração

José Pereira (ou) Carlos Conde? / Pedro Rodrigues
Repertório de Manuel Dias 

No registo discográfico de Manuel Dias esta letra aparece atribuída a José Pereira
No registo discográfico de Ricardo Ribeiro esta letra aparece atribuída a Carlos Conde

Feia ou bonita, que importa 
Se nos assalta a paixão 
A quem nos sabe vencer 
O coração tem uma porta 
E a porta do coração 
Abre-se às vezes sem querer 

Cruzei um dia na vida 
Um olhar tanto a preceito / Que me toldou a presença 
Ela não pediu guarida 
Mas bateu com tanto jeito / Que entrou sem eu dar licença 

O amor é um imprevisto 
Faz-nos rir, faz-nos chorar / Faz-nos viver e sentir 
O meu coração tem disto 
Às vezes tento fechar / Mas ele teima em abrir 

Que importa o riso, a traição 
Quem ama, tudo suporta / E o resto não tem valor 
Só quem não tem coração 
É que não uma porta / P’ra dar entrada ao amor