- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Da morte não espero nada

Letra e musica de Amélia Muge
Repertório de Ana Laíns


Não sei se parta se fique / Da morte não espero nada
Vou mas é fazer-me á estrada
Andar c’oa vida ao despique / E sobretudo no Entrudo
Manter a cara lavada / A cantar á desgarrada
A cavalo numa espiga / Se assim quiser a cantiga

E bailar e fazer pose / No prato do arroz doce
P’ra alegrar a amadrugada
Vou mas é fazer-me á estrada / Da morte não espero nada

Não sei se entenderam bem / Não é uma brincadeira
A história, se é verdadeira / Dá sempre aquilo que tem
A fantasia escondida / De qualquer coisa perdida
Não sei se fico, se vou / Eu já nem sei onde estou

Com tanta hora de estrada / Eu já nem sei estar parada
E se oiço um assobio / Continuo, mas sorrio
Vou mas é fazer-me á estrada / Da morte não espero nada

Não sei quem veio acudir / Ouço contar uma história
Com voz de pai ou de mãe / Ao pé de mim está alguém
E nunca é a fingir / Quando estou quase a dormir
Chegado o tempo das magas / Com as luzes apagadas

Eu olho o mundo daqui / E que lindo que ele é
E ao vê-lo eu sinto até / Que já morria por ti
Vou mas é fazer-me á estrada / Da morte não espero nada