- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado manguela

Ary dos Santos / José Mário Branco
Repertório de Carlos do Carmo


O Porto é porta do meu rio
Douro-viagem, Douro-casario
Ganhei-o e perdi-o na ponte do desafio

Água de barro correndo / Lavando o corpo do Barredo
Mágoa que foste crescendo / Numa cidade sem medo

No gosto do meu sarrabulho / Eu fiz das tripas coração
E depois comi barulho / Só por ter dito que não

O Porto não é só Ribeira / É Miragaia, Bessa, Fontaínhas
Mas tem esta maneira / De as ruas serem minhas

Parto de um rio de vinho aportado
Há quanto tempo estás ancorado
Ai!... não te esqueças do mar a teu lado
Porto dormido, Porto acordado
Porto perdido mas encontrado

Agora sim, sei da ternura
Que tu me dás em cada palavrão
Tão verde e tão madura, alho-porro, São João

Alma de um rio ás portas do mar
Foz dos meus olhos, grandes janelas
Onde se pôe a tristeza a secar
Roupas de dentro, coisas singelas
Na corda bamba dos teus manguelas

O Porto não é só Ribeira / É Miragaia, Bessa, Fontaínhas
Mas tem essa maneira / De jogar ás fintinhas