- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Olá puto reguila

Rui Manuel / Vital D’Assunção
Repertório de Chico Madureira

Puto reguila do sorriso tão travesso
Que enches de vida cada rua da cidade
Lisboa é tua, e cada dia é o começo
Dessa aventura em que o tempo ganha idade

Puto reguila do cabelo em desalinho
Que roubas fruta no mercado da Ribeira
Se tu pudesses roubavas também carinho
Que repartias pela malta mais porreira

Puto reguila que és gaivota e cacilheiro
Irmão do vento, irmão da chuva, irmão do Tejo
Dão-te uma esmola a muito custo, e o dinheiro
Não mata a fome, mata apenas o desejo

Puto reguila, andorinha sem beiral
A flor da vida com se enfeita o Rossio
Tens como cama, a tua raiva e um jornal
De letras mortas que não dão calor ao frio

Puto reguila da coragem transparente
Quanta porrada tens no teu corpo franzino
Cresces depressa, tão depressa, e de repente
Mora um adulto no teu rosto de menino