- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Emigrantes

Aníbal Nazaré / Carlos Rocha
Gravado por: Emílio dos Santos


Embaixador da saudade
Da sua terra distante
Em permanente ansiedade
Ele vive, o emigrante

Foi levado p’lo destino
P’la má vida ou p’la ilusão
Mas Portugal pequenino
Leva-o em seu coração

Emigrantes... vêm de terras distantes
São cavaleiros andantes
Da sua terra natal
Emigrantes... são heróis que a pátria ignora
Que espalham p’lo mundo fora
O nome de Portugal

Na sua vida modesta
Cada carta uma saudade
Cada notícia uma festa
Cada dia, a eternidade

Deixando a terra que adora
Uma verdade se encerra
O corpo a viver lá fora
E a alma na sua terra