- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arma certeira

Carlos Conde / Frederico de Brito *fado britinho*
Repertório de Nuno de Aguiar

Tenho p’ra me defender
Uma arma bem singela
Mas de um enorme valor;
Pois venha lá quem vier
Quando manejo com ela
Fico sempre vencedor

Venço a má língua, a arrogância
A calúnia mais brutal / Os fins da mais torpe acção
Até venço a relutância
Daqueles que dizem mal / E no fim, pedem perdão

Nada temo nesta vida
Nem as almas malfazejas / Nem os ditos lés a lés
Tudo levo de vencida
Até as próprias invejas / Caem de rojo, a meus pés

Nada pois me causa medo
Nem o ódio dos irados / Aumenta as minhas fadigas
Esmago o devasso enredo
Dos concluios fomentados / Ante as mais baixas intrigas

Arma de golpes certeiros
Perante o reles motejo / De quem ri do indefeso
Vence exércitos inteiros
Essa arma que eu manejo / E que se chama desprezo