- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A palavra dos lugares

Sérgio Godinho / José António Sabrosa *fado da defesa*
Repertório de Mísia

Aqui estou na mesma esquina
Antes mulher, já menina
Por artes dos teus amores;
Só à espera que apareças
Que eu consiga e tu mereças
Dois beijos reparadores

Foi na cidade do Porto
Se a nomeio, é que me importo / C’oa palavra dos lugares
Que eu te amei p'lo rio abaixo
Rio Douro o que é que eu acho / Fazes bem em desaguares

Sei que algures na cidade
Tenho o mapa e a liberdade / Vou achar quem mais me abrasa
Mas tudo aquilo que me resta
É espreitar por esta fresta / Donde vejo a tua casa

Depois descubro que a vida
Em paixões fica esculpida / E em amores remodelada
Sou uma estátua na avenida
Qual o gesto desta ferida / Onde enterro a minha espada

Se te espero, é porque queria
Ter do bronze, a teimosia / De te ter por confidente
O granito á tarde espelha
A razão porque avermelha / Nosso amor ao sol poente

Foi na cidade do Porto
Se a nomeio, é que me importo / C’oa a palavra dos lugares
Que te amarei, rio abaixo

Rio Douro, o que é que eu acho / Fazes bem em desaguares