- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Diário que me resta

Letra e música de Diogo Clemente
Repertório de Hélder Moutinho

Esta versão foi-me enviada pelo autor no dia 03 de Outubro de 2009 

Quando o relógio do meu peito, este poeta
Se desalinha, cai no chão e acorda a dor
A alma surge além de mim em voz aberta
Como no dia em que perdi o amor do meu amor

E nesse tempo a vida fez por me ajudar
Foi reescrevendo a noite e o dia nos meus passos
Hoje nos braços trago o mundo em teu lugar
E o mundo inteiro é peso a mais para os meus braços

Não é que os dias se desenhem, mal ou bem
Lá vão passando devagar, devagarinho
É cá por dentro este silêncio que mantém
O sol poente pelas pedras, as pedras do caminho

Mas eu renego uma outra vida tendo esta
O porto amigo de quem vive sem desejos
A alma triste é o diário que me resta
E ainda desfolho alguns poemas dos teus beijos