- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sem ar de ralé

Carlos Alberto França
Repertório de Rodrigo

Falam tanto do passado e dos fadistas de outrora
Mas se o fado ainda é fado, deve aos fadistas d’agora
Os tempos que já lá vão tiveram a sua graça
Mas agora, como então, o fado é questão de raça

Prefiro o fado sem ar de ralé
Mais elegante, chique e rafiné
Nem esse fado e anda na prova da pinga
Diz que é brigão, rufião, eu não sei para quê
O fado agora mudou p’ra melhor
Já é cantado seja aonde fôr
E p’ra falar a verdade, dessa vielas sombrias
E da história dos seus dias, só resta a saudade

Por mais que sejam lembradas as coisas de antigamente
E se mantenham sagradas aos olhos de muita gente
Quis mostrar e conseguiu fugir dessa condição
Foi mais lonfe, evoluíu p’ra não ser só tradição