- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fala da pintora

Luíz Francisco Rebello / Nuno Rodrigues
Repertório de Patrícia Rodrigues

Tenho no peito uma ferida que dilacera o meu ego
Nasci com ela, é a vida
É labirinto de cego, túnel, beco sem saída
Deus, que ora afirmo ora nego
Por isso nasci suícida, fui salva por ti, Diego

Com o sangue desta ferida aberta quando nasci
Nasci com ela, pintei quadros, escrevi
As horas da minha vida e a hora da minha morte
Por isso nasci suícida, fui salva por ti, Diego

Com este punhal vivi cravado no coração
Morri com ele
Sangue rubro, sangue forte da côr da revolução
Deste sonho a que me entrego
E desafia a razão que ambos sonhámos, Diego

Á eternidade, lego meus quadros e minha vida
E este romence de cego
Diego e Frida ... Frida e Diego