- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Amor de Inverno

Rosa Lobato de Faria / Raúl Nery
Repertório de António Pinto Basto

De manhã, era Dezembro, no teu rosto anoitecia
Estremecia, bem me lembro, o teu corpo ventania
Tinhas modos de giesta que sonhasse uma lareira
Como o soluço que resta duma mágoa verdadeira

Amor de Inverno, é o mais terno, é o mais quente
No segredo da neblina

Ninguém ama como a gente
Amor de Inverno, é o mais terno, é o mais louco
Tem sabor a tangerina

Este amor que sabe a pouco

Que os meus braços te adormeçam
E os meus beijos anoiteçam no teu desgosto
Que os meus gestos te acompanhem
E os meus dedos te desenhem um mar de Agosto

Que os meus fados te agasalhem
E os meus lábios ajoelhem sobre os teus pés
Que os meus cânticos te guiem
Os meus olhos alumiem a canoa que tu és