- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Desalento 2018

Letra e musica de Jorge Fernando
Repertório do autor

Por mais que eu tente dar alento ao meu caminho
Por mais que eu teime em este peito sossegar
Quando anoitece fico só e então sózinho
A solidão não pára de me atormentar

Fala de mim, das minhas dores, do meu passado
Do que eu não posso apagar dentro de mim
Porque as memórias são a história, são o fado
Por mais que eu queira, não consigo dar-lhe fim

Pois sim
A vida não foi fácil para mim 

Eu sei que a vida me escolheu ao dar-me vida
Que não prescinde do que eu faço e do que eu sou
E que ao nascer trouxe consigo a fé devida
P'ra me arriscar neste caminho a que me dou

Mas a tristeza de me achar abandonado
Entre o que eu quero ser e aquilo que não sou
Encontra a paz quando me escondo num fado
Onde a minh'alma bem cedo se revelou