- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Terra irada

Paco Gonzalez / Franklim Godinho *fado franklim*
Repertório de Fernando Maurício 

Sou filho da terra irada
Nasci no berço do espaço
Fui escravo do deus dinheiro;
Fui tudo, não sendo nada
Em mistura de sargaços
Com oiro de pioneiro

Eu fui o bobo do rei
Comi debaixo da mesa / Migalhas de pão pisado
Sem direitos, reclamei / Direitos prá natureza

De quem nasceu malfadado

Fiz tudo para esquecer
Alimentei-me de dor / N
o vinho de desespero
E a revolta fez nascer

No meu peito sofredor / Um hino de posso e quero

Não é balada o meu fado
Nem tenho medo de erguer / Sua bandeira encarnada

Fui menino, sou soldado
E ninguém pode vencer / Um filho da terra irada