- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado safado

António Sala

Prometi a mim mesmo escrever um fadinho
Mas não sei como vou começar
Vai dali a guitarra, vai daqui a viola
E depois cá vai disto, é cantar

Mas sei pouco de fado, sei que gosta de vinho
Em que estamos de acordo p'ra já
Dizem que é refilão, tem ar de engatatão
E só gosta que o chamem de pá

Fado vadio, crescido na rua, nas noites lá no Coliseu
Fado malandro, poeta da noite, conheces mais ruas do que eu
Fado sem fato, que perdeste a gravata
Fugiste p'ra um beco em Cascais
Vais á Boite e acompanhas o Rock
Meu grande safado... és demais

Prometi a mim mesmo escrever um fadinho
E não sei como vou terminar
Vou tirar-lhe a guitarra, vou sacar-lhe a viola
Mas o fado não se sabe calar

Está no passo gingão, na varina atrevida
Nas ginginhas tomadas de pé
Está nas musas do Tejo, nas miúdas que eu vejo
E nas cenas canalhas, até