- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Canoas do Tejo

Frederico de Brito 
Repertório de Carlos do Carmo 

Canoa de vela erguida / Que vens do cais da ribeira 
Gaivota que andas perdida / Sem encontrar companheira 

O vento sopra nas fragas / O sol parece um morango 
O Tejo baila c''asas vagas / A ensaiar um fandango 

Canoa... 
Conheces bem 
Quando há norte pela proa 
Quantas docas tem Lisboa 
E as muralhas que ela tem 
Canoa... 
Por onde vais 
Se algum barco te abalroa 
Nunca mais voltas ao cais 
Nunca, nunca, nunca mais 

Canoa de vela panda / Que vens da boca da barra 
E trazes na aragem branda / Gemidos duma guitarra 

Teu arrais prendeu a vela / E se adormeceu, deixá-lo 
Agora muita cautela / Não vá o mar acordá-lo


Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção*

Eis outro fado que entrou no ouvido de toda a gente e no repertório fadístico de
inúmeros amadores e profissionais.

Tornou-se imprescindível nos espectáculos do seu criador e tão popular que este
ao convidar o público a cantar consigo o refrão, costuma calar-se e fica a audiência
a cantar a letra, sem mais ajudas e sem hesitações.

Frederico de Brito, além de notável letrista, compositor, poeta com obra publicada
era muito habilidoso de mãos.

Conta Carlos do Carmo que, em reconhecimento pela popularidade alcançada por este fado
«Britinho» (assim era carinhosamente tratado no meio fadístico) construiu um modelo de
canoado Tejo, à escala, muito bem feito, e ofereceu-lho.

Na vela, pôs o seguintes dizeres: «Frederico de Brito sonhou, Carlos do Carmo cantou».

Por ocasião do famoso programa televisivo Zip-Zip, Carlos do Carmo, entrevistado numa
das sessões levou a canoa feita por Frederico de Brito, entretanto já falecido
e mostrou-a. No meio da azáfama própria dos bastidores de teatro, após a gravação do programa
a canoa foi roubada.

Apesar de insistentes apelos posteriores, nunca mais foi devolvida, desconhecendo-se
o seu paradeiro.