- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Biografia do fado

Letra e musica de Frederico de Brito
Repertório de Carlos Ramos

Perguntam-me p’lo fado, eu conheci-o
Era um ébrio, era um vadio 
Que andava na Mouraria
Talvez ainda mais magro que um cão galgo
E a dizer que era fidalgo
Por andar co'a fidalguia

O pai era um enjeitado
Que até andou embarcado
Nas caravelas do Gama
Um mal andrajado e sujo
Mais gingão do que um marujo 
Dos velhos becos d’Alfama

Pois eu... 
Sei bem onde ele nasceu
Que não passou dum plebeu
Sempre a puxar p’ra vaidade
Sei mais... 
Sei que o fado é um dos tais
Que não conheceu os pais
Nem tem certidão de idade

Perguntam-me por ele, eu conheci-o
Num perfeito desvario / Sempre amigo da balbúrdia
Entrava na Moirama a horas mortas
E a abrir as meias portas / Era o rei daquela estúrdia

Foi às esperas de gado
Foi cavaleiro afamado / Era o delírio no entrudo
Naquela vida agitada
Ele que veio do nada / Não sendo nada era tudo