- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Aquela janela virada p'ro mar

Frederico de Brito
Repertório de Tristão da Silva

Cem anos que eu viva, não posso esquecer-me
Daquele navio que eu vi naufragar
Na boca da barra, tentando perder-me
E aquela janela virada p'ro mar

Sei lá quantas vezes desci esse Tejo
E fui p'lo mar fora c'oa alma a sangrar
Levando na ideia uns lábios que invejo
E aquela janela virada p'ro mar

Marinheiro do mar alto
Olha as ondas as uma a uma
Preparando-te o assalto
P'ra fazer teu barco em espuma;
Repara na quilha bailando na crista
Das vagas gigantes que o querem tragar
Se não tens cautela não pões mais a vista
Naquela janela virada p'ro mar

Se mais 'inda houvesse mais portos correra
Lembrando-me em noites de meigo luar
Duns olhos gaiatos que estavam á espera
Naquela janela virada p'ro mar

Mas quis o destino que o meu Mastodonte
Já velho e cansado viesse encalhar
Na boca da barra e mesmo defronte
Daquela janela virada p'ro mar

Marinheiro do mar alto
Olha as ondas uma a uma
Preparando-te o assalto
Entre montes d'alva espuma;
Por mais que elas bailem numa louca orgia
Não trazem desejos de me torturar
Como aquela doida que eu deixei um dia
Naquela janela virada p'ro mar