- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Meu velho fado

Mário Rainho / Carlos Dionísio
Repertório de Helena Nunes

Não sei que lhe aconteceu
Parti à sua procura
Mas onde é que ele se meteu
Nesta noite fria e escura
No coração azedume
Em ciúmes me desolo
Com os meus olhos em lume
Lá o vi como é costume
Com uma guitarra ao colo

Meu velho fado
Só me fazes coisas destas
Tu queres fadistices, festas
Sem horário de chegar
Meu velho fado
Só me dás razões de queixas
Tu não penses que me deixas
Sozinha em casa a chorar

Cantei-lhe o fado das horas
Em que fico amargurada
Pois não quero mais demoras
Ou em casa há desgarrada
Atirou-me no corrido
Uns versos, que fez à toa
Em que disse, convencido
Que queria ficar comigo
C'uma guitarra e Lisboa