- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sem palavras

Maria do Rosário Pedreira / António Vitorino d’Almeida
Repertório de Carlos do Carmo 

Quando eu tinha o teu amor 
Não me sentia à vontade
Para dizer quanto te queria
Mas não podia supor
Que, por guardar a verdade
Tu julgasses que eu mentia

Podia continuar mudo / Que as palavras não são tudo
Mais importa o que é vivido
Mas digo-te cá do fundo / Que ainda dava a volta ao mundo
Na roda do teu vestido

Quando estiveste ao meu lado / Faltou-te da minha boca
Uma jura de paixão
E, ao veres-me assim tão calado / Cismaste até ficar louca
Numa história de traição

Agora, que já te entendo / Confesso que me arrependo
Do coração tão fraco
E digo sem hesitar / Gostava mais de cantar
Com as bandas do teu casaco