- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.485 LETRAS <> 2.524.500 VISITAS <> JULHO 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Tem calma coração

Letra e musica de Paco Gonzalez
Repertório de Fernando João

Tem calma coração, tem calma
Deixa-me viver a vida que eu quiser
Não queiras destruir na minha alma
A loucura bendita do meu ser

Tem calma coração amigo
Companheiro de desditas e fracassos
Deixa-te andar de bem comigo
E não percas o compasso dos compassos


E foi assim que o teu sofrer quase matou
A minha vida de boémio e de fadista
Sem querer ver que a minha alma se formou
No todo bem, no todo mal, que há no artista

E vens agora altivamente argumentar
P’ra moderar na minha vida esta paixão
Por isso sou forçado a te cantar
Tem calma, muita calma, coração

Tem calma coração, que o mundo
Há-de reconhecer o teu valor
No fundo, coração, no fundo
É que existe a loucura do amor

Sempre foste um herói de humanidade
Não me meti na tua inspiração
Deixo-te ter uma outra mocidade
Tem calma, muita calma, coração