- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Viva Maria

José Luís Gordo / Rocha Oliveira
Repertório de Maria Jô Jô

Olhem Maria, Maria
Linda catita lá vem, lá vem
Face corada, rosada
Saia bordada que lhe fica bem

Blusa justinha, fresquinha
Cingida ao peito, bem lavadinha
Todos a querem para mulher
E a Maria a ninguém quer

Brincos de rosas airosas
Beijam-lhe as faces lindas, lustrosas
E o seu corpo moreno
É frágil, é pequeno mas de tez morena

Anda por lá sózinha
Correndo os montes, guardando o gado
Vem à tardinha matar a sede
Beber na fonte do povoado

Nas suas mãos morenas
Traz ramalhetes de flores silvestres
Urzes, giestas e nardos
Vida de prados, sonhos campestres

Olhem Maria, Maria
Lá vem, lá vem, descendo o monte
Traz no olhar, sempre acendida
Sede de amor viva, constante

Viva Maria, viva Maria
Todos gritam quando ela passa
Viva Maria, viva Maria
Viva Maria com muita graça