- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.555 LETRAS PUBLICADAS <> 2.630.000 VISITAS < > NOVEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Digam

Manuel de Andrade / Frederico de Brito *fado dos sonhos*
Repertório de Rodrigo da Costa Félix

Se hoje alguém, me procurar
Digam que não pode entrar
Que não estou para ninguém;
Fechem-lhe a minha janela
E mesmo que seja ela
Digam, que não estou também

Digam que a não quero ver
Que não me faça sofrer / Digam-lhe, que se vá embora
Digam que há muito morri
Mesmo que nunca existi / Digam que aqui ninguém mora

Façam o que lhes lembrar
Digam que não pode entrar / Que não estou para ninguém
Que a porta ficou trancada
Ou então, não digam nada / Porque eu sei, que ela não vem