- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.555 LETRAS PUBLICADAS <> 2.603.800 VISITAS < > OUTUBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lisboa que eu amo

Fernando Santos / Manuel Fernandes
Repertório de Lenita Gentil

Lisboa acorda á luz da aurora / Diz lá do alto adeus ao Tejo
Sai a sorrir p’las ruas fora / E o sol, seu noivo, vem dar-lhe um beijo

É no Chiado, altiva dama / Toma em Alcântara um ar gingado
Reza na Sé, canta em Alfama / Se quer chorar, soluça um fado

Lisboa vai, tique tique, rua fora
Olhai olhai como o sol tonto a namora
Lisboa vai, bate leve a chinelinha
Ninguém sabe onde ela vai
Nem se é povo ou se é raínha

É burguesinha em Alvalade / É afidalgada na Junqueira
Na Esperança ri, grita á vontade / Usa tairocas e é peixeira

Vai á abertura da água pé / Na Lapa faz diplomacia
Na Fonte Santa arma o banzé / Passa a chorar p’la Mouraria