- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Há noite aqui

Letra e musica de Mafalda Arnauth
Repertório da autora

Escutem os ecos da noite / Onde o que é fado acontece
Nas mil palavras, olhares / Nos mil desejos, esgares
De quem mil mágoas padece

Escutem vestígios de medo / No riso inquieto e sózinho
E que diz muito em segredo / De noite é sempre tão cedo
Aonde estás tu, carinho?

Cada copo é revolta

Cada trago é um grito
Súplica de alguém aflito
Num bar com um copo á solta;

Vai-se bebendo o incerto
E tudo o mais é deserto

Escutem as pragas de quem / Vai mendigando atenção
Dorme nos braços que moem / Por muito louco que o tomem
Loucura tem seu perdão

Escutem os sons que balançam / Soam mais alto e mais forte
Mas já as horas avançam / As poucas palavras se cansam
Já ninguém há que s'importe