- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Valsa de um pavão ciúmento

João Monge / Pedro Silva Martins, Luís Silva Martins
Repertório de António Zambujo

Eu vi como ela o trata e pensei p'ra mim
Se ele é tão bom, tem boca de pudim
Tem voz de santo e modos de pavão
Eu sei que a minha mãe nunca me fez assim
Andei na escola do principio ao fim
Uns dias ia, outros também não

Já dei por mim às vezes a falar sozinho
Troco o Benfica por algum carinho
Se ela trocar pela minha paixão
Já vi que ele usa botas de polimento
E aqueles fatos a cem por cento
Isso diz tudo acerca dum qualquer

Eu sei como ela dança com o peito colado
Ninguém diz que tem o pé apertado,
Se está nos braços desse Fred Astaire
Se alguém pennsar que morro deste desconsolo
Eu vou para os alunos da Apolo
E dou a vida por essa mulher

Perdão elo mau jeito que dei, meu rapaz
És tão perfeito, tu és quase um às
Mas eu guardei para o fim o melhor trunfo
Eu dei a ela mais do que a minha atenção
Abri a porta do meu coração
Ela escolheu, não foi nenhum triunfo;
Amigo, vais ver que um dia ainda vais ser feliz
Se tens dói-dói faz aquilo que eu fiz
Morre por ela e trata-a com drunfo