- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Flinstones

João Monge / Ricardo Cruz
Repertório de António Zambujo

Eu sei que cheguei tarde mas tenho uma explicacão
Não passei na matilha, não provei nem uma jola
Até colhi uma flor p’ra colher tua atencão
Eu juro que hoje não , não pus o pé na argola

Trago marcas de batom no casaco azul marinho
Hoje foi Dia da Mãe, passei lá para a beijar
Mas ela já não vê bem, beijou-me o colarinho
Ela perguntou por ti e acabei por me atrasar

Apanhei fila na ponte, viste no telejornal
Ainda te quis avisar, mas dali não tinha rede
O destino às vezes faz partidas de Carnaval
Vá lá, tem pena de mim, tenho fome e tenho sede

Eu sei que cheguei tarde, estou meio morto e com batom
Mas deixa-me explicar o que foi a essa hora morta
Não grites por favor, não faças subir o tom
Já está tudo a espreitar, vá lá, Wilma, abre a porta