- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Por seres tão triste

Letra e musica de Jorge Fernando
Repertório de Fábia Rebordão

Como dizer-te, ousar falar, como contar-te?
Que sinais eu posso dar-te?
Já que a voz teima em calar-se
Se não me entendes, o que fazer deste meu jeito?
De sentir bater-me o peito
Que quase o sinto a rasgar-se

Por seres tão triste
Roça-me a alma o suave encanto
Quase a carícia a dar-se tanto
Pousar-te as mãos por sobre o rosto
Por seres tão triste
Dou-te os meus olhos para que vejas
A intensa luz na noite, p'ra que sejas
Num olhar triste, os olhos de que eu gosto

Há nos meus olhos estranho brilho a trair-me
Que o amor ao possuír-me
Denúncia a alma impura
Tenho receios, sentimentos persistentes
Por não saberes o que sentes
Sei-me assim tão insegura