- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.585 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Fado chorado

Mário Rainho / Alfredo Marceneiro
Repertório de Fernando Jorge Amaral


Eu não chorei ao nascer
Dei um grito, foi de espanto
Como estivesse a prever
Que me ia acontecer
Toda uma vida de pranto


Pranto, por dentro, chorado / A alma queimada e o rosto
Culpa dum choro salgado
Por, na vida, ter andado / Só de desgosto em desgosto

Queria acender alegrias / Subi-las ao universo
Mas as minhas poesias
Cantavam, só, elegias / Choravam em cada verso

As lágrimas desmaiavam / Nas rimas-ondas, sem cor
E os poemas se alagavam
Por verem que me cercavam / Analfabetos de amor

Eu não chorei ao nascer / Dei um grito, foi de espanto
Eu estou vivo, podem crer
Mas já não choro-a-valer /
Porque sequei o meu pranto