- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

E foi por isso *fado laiva*

Letra e musica de Júlio Proença
Repertório de Tony de Matos
Letra extraída do EP de Tony de Matos *Edição Carioca*
Existe uma outra versão que está publicada com o título *Fado Laiva* 

Quando eu a vejo com outro a fazer-lhe gala
Sinto desejo de bater-lhe ou de marcá-la
Já não lhe basta toda a lama que lhe aflora
Mas mete raiva provocar-me a toda a hora 

E foi por isso 
Que eu deixei de ter amantes
Já não sou o que era dantes
Já nem quero mais paixões
É que eu perdi-me 
No caminho da desgraça
E hoje pareço a quem passa
Um farrapo de ilusões

Ainda há pouco, entrou ela e um demente
E o pobre louco pôs-se a rir, o inconsciente
É um qualquer que ela tem por tabuleta
Um trapo sujo que eu joguei para a valeta