- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sete sílabas de chita

Tiago Torres da Silva / Fernando Alvim
Repertório de Hélder Moutinho

A noite tarda / Numa alma tão secreta
Que sem querer ficou à guarda / Do coração de um poeta

A noite sabe / Que talvez por ser do fado
Um dia acabo / Sem querer ter começado

A noite ri-se / E na sua timidez
Chega à velhice / E quer ser jovem mais uma vez

Silêncio... está a chegar a saudade
Silêncio... a minha alma sorri
Silêncio... sinto que a noite me invade
Quero abraçar a saudade
E depois morrer por ti

A noite agita / Uma quadra mal bordada
Sete sílabas de chita / P’ra cantar à desgarrada

A noite insiste / Numa rima tão modesta
Um verso triste / Que ela sabe que não presta

A noite ri-se / Dessa tua pequenez
Diz ser tolice / E faz o verso que ninguém fez