- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Asas no tempo

Carlos Escobar / Carlos Barra
Repertório de João Tenreiro

Cabeça de vento, sem asas no tempo
Vem cá velha amiga
Que em tem tempo de mágoa me deste o teu braço
Seguiste o teu rumo, laranja sem sumo
O vento voando e o teu corpo vergando á lei do cansaço

Quiseste dar vida à vida perdida
E a vida deixou-te
Deu corda, enforcou-te na corda da vida
Dançaste, dançaste, rodaste, rodaste
Pião a rodar, a girar a girar numa luta vencida

És trigo maduro que só deu pão duro
Seara cortada em manhã de geada, raiz a secar
Perdoa a descrença e o preto da tinta
Mas estava cá dentro e a raiva que sinto não deixa que minta

Vem cá velha amiga um ombro um abraço
Descansa-se se queres
E quando quiseres acerta o teu passo
A vida sem vida foi vida vendida
Mas és força viva, não deixes que a vida te faça palhaço

Adeus velha amiga, amante perdida
Amante amores, de poucos valores e travo na boca
A cama é só minha, a casa é tão fria
Eu tenho o que tenho, tu tens o que tinhas
A noite vazia