- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A todos o que é de todos

Fernando Farinha / Carlos da Maia *fado perseguição*
Repertório de Fernando Farinha 

Sempre que me vou deitar
Antes do sono me dar
Trago o mundo à minha mente;
E sem sabê-lo entender
Sofro por ele não ser
Igual para toda a gente

E perante tal visão / Que me aperta o coração
Choro quem, por mal estranho
Cumpre uma sina daninha / Sem ter cama como a minha
E uma casa como eu tenho

Sempre que à mesa me sento / Na hora em que me alimento
Logo a ideia me salta
Que embora simples manjar / Estou eu a saborear
Aquilo que a muitos falta

Neste mundo sem sentir / Não deviam existir
Situações tão desiguais
Nem grandes mem tão pequenos / Nem tantos terem de menos
Nem outros terem demais

Onde está o nosso Deus / Que é p’lo bem dos filhos seus
Que não quer fome nem guerra
Porque andará Deus assim / Tão esquecido, sem por fim
Às desgraças que há na terra

Ó Deus se és tão milagroso / Põe no mundo ambicioso
A tua divina mão
Traz à terra o doce bem / De não faltar a ninguém
Casa, paz, amor e pão