- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Velho bairro

Carlos Barrela / Fontes Rocha
Repertório de Nuno da Camara Pereira

Bairro beijado p’la rua
Com refrões de cantigas que vão de rua em rua
Tocam guitarras antigas
Na esquina, raparigas
Esperando uma ilusão dum vago sopro de amor
Tragam na boca acesa, uma flor

Bairro, velho bairro
Tens no corpo tatuado um coração a sangrar
Penas.. gritos
Qualquer bairro de tristeza é um fado a soluçar
Bairro, velho bairro
Quando corro as tuas ruas não contenho a emoção
As ver vidas destroçadas, as casas abandonadas
E a sombra duma paixão