- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Canto da fantasia

Letra e musica de Paulo Valentim
Repertório de Kátia Guerreiro

Como o grito de quem nasce num instante
Foi de negro que vieste meu amante
Foi de negro como a noite desse dia
Foi de pranto dessa boca à gargalhada
O sorriso que é a morte anunciada
Do carnaval do amor, a fantasia

E depois foi o canto, a romaria
E as festas da Senhora da Agonia
E tudo o que sonhei por seres quem és
Os beijos que inventei na tua boca
Os gemidos a rasgar a tua roupa
Os meus lábios a beberem as marés

Por isso eu te digo, Meu Senhor
Que esta fala não é pranto, não é dor
Nem vontade de prender ou de largar
É mostrar que sei de ti o que é preciso
P'ra transformar por fim num claro riso
Toda a cor que sei de cor do teu olhar