- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Canto da fantasia

Letra e musica de Paulo Valentim
Repertório de Kátia Guerreiro

Como o grito de quem nasce num instante
Foi de negro que vieste meu amante
Foi de negro como a noite desse dia
Foi de pranto dessa boca à gargalhada
O sorriso que é a morte anunciada
Do carnaval do amor, a fantasia

E depois foi o canto, a romaria
E as festas da Senhora da Agonia
E tudo o que sonhei por seres quem és
Os beijos que inventei na tua boca
Os gemidos a rasgar a tua roupa
Os meus lábios a beberem as marés

Por isso eu te digo, Meu Senhor
Que esta fala não é pranto, não é dor
Nem vontade de prender ou de largar
É mostrar que sei de ti o que é preciso
P'ra transformar por fim num claro riso
Toda a cor que sei de cor do teu olhar