- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ai Alice

Jorge Brandão / Jerónimo Bragança
Repertório de Manuel Fernandes

Ai Alice, quem foi que te disse
Que foi garotice o que eu te pedi
Ai Alice, que grande tolice
Eu sempre te disse que gosto de ti

Desconfias por tudo e por nada
Que grande maçada a tua má fé
Bem podias dar mais confiança
Comigo, descansa, não perdes o pé

Ai Alice vê lá que maldosas
Que intriguistas amigas possuis
Eu estou pronto a jurar
Qe nunca amei outra mulher
Com uns olhos tão bonitos
Como os teus olhos azuis;
Ai Alice não cortes caminho
E não andes com medo de amar
Ai Alice eu fico ceguinho
Se agora me negas a luz desse olhar


Ai Alice, se tu me quisesses
Talvez que dissesses que sou de bom tom
Ai Alice, não sejas prudente
Porque finalmente amar è tão bom

Desconfias dum beijo em segredo
Porquê
tanto medo se um beijo entre dois
È a coisa mais simples do mundo
Respira bem fundo e diz-me depois