- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Varinas, noivas do mar

Carlos Conde / Acácio Rocha
Repertório de Alfredo Duarte Junior

As varinas tagarelas
São as mais lindas e francas
Noivas, do mar português
E o mar aprende com elas
Só pelo jeito das ancas
O baildao das marés

Varina varina, quem te deu a sina das ondas do Tejo
Quem foi que te deu o brilho do céu e o mundo num beijo
Quem fez a canção daquele pregão que sabes cantar
Varina varina, quem te deu a sina das ondas do mar

As moças da Madragoa
São aquelas raparigas
Que enchem o mar de emoções
E iluminam toda a Lisboa
Pondo o sabor das cantigas
Ao jeito dos seus pregões